NECESSIDADES BÁSICAS

terça-feira, 01 agosto 2017 04:12
Dr. João Carvalho

 

Enquanto bebés e crianças os humanos são vulneráveis e muito frágeis e de maneira a desenvolverem-se de uma forma psicologicamente saudável certas necessidades básicas têm de ser atingidas. É disso mesmo que vamos falar hoje um pouco, das necessidades básicas de infância.Quando estas necessidades centrais não são atingidas é interrompido o normal e saudável desenvolvimento da criança formando-se assim certos padrões que podem ser disfuncionais mais tarde na adolescência e estado adulto.

As necessidades básicas do bebé e da criança são resumidas brevemente de seguida:

1. segurança e estabilidade - um ambiente familiar seguro e estável que permita à crinça sentir-se segura.

2. vínculo seguro, amoroso e confiável com o cuidador principal - pode não ser atingido se a mãe ou o cuidador principal não for uma pessoa calorosa e amorosa que desfrute de proporcionar cuidados maternos, se estiver "indisponível" através de doença ou depressão ou se é emocionalmente instável e/ou imprevisível.

3. a necessidade de apoio ao longo do crescimento, movendo-se assim a criança de algum sentimento de incapacidade e dependência a um senso de competência (a funcionar no mundo), autonomia (capacidade de fazer as próprias escolhas). Isto pode não acontecer se a primeira necessidade de segurança não for satisfeita, deixando assim a criança a sentir-se receosa e insegura no mundo. Se os pais forem sobreprotetores e não incitarem a autonomia a criança também recebe a mensagem de que "não se deve aventurar e explorar o mundo por ela própria", tornando-se assim independente.

4. expressão apropriada de emoções e necessidades - se ao crescerem as crianças tiverem apoio e carinho suficientes elas irão aprender a identificar e a expressar os seus sentimentos e necessidades de maneiras apropriadas.

5. necessidade de auto-controlo e elaboração das reacções comportamentais e emocionais - quando a necessidade de segurança e estabilidade não é atingida a criança pode experienciar emoções tão extremas que estão para além da sua capacidade para as modular. Aprender a gerir as próprias emoções toma lugar na relação e em relação com um cuidador principal carinhoso que lê e reflete aquilo que a criança está a sentir - na maioria dos casos da nossa sociedade ocidental - a mãe.

6. a necessidade de expressão de espontaneidade, brincadeira e criatividade - quando estes aspetos eram raros ou inexistentes na infância - mais tarde torna-se menos habitual o contato com estas facetas da natureza humana.

Terra Calma, Psicologia Clínica